Peixes Ornamentais em Aquário
Janeiro '08

 A Era de Aquários > Seus Aquários Mês Anterior | Mês Seguinte 

Fotos e Descrições

Janeiro '08 - Pedragismo em Aquários!

Pedragismo "Falso Marinho" - Uma Opção Controversa
Este é um estilo bastante popular, que carrega consigo várias questões correntes. O conceito em sí já é controverso - muitas pessoas simplesmente não conseguem entender como alguém poderia querer criar um aquário marinho "fajuto" usando ciclídeos africanos e "rocha morta" (rocha previamente viva ou peças de recifes que foram limpas em cândida), enquanto outras pessoas acham-no a solução perfeita para uma montagem comparativamente barata e de baixa manutenção que se parece com o aquário marinho que sempre quiseram ter e nunca puderam pagar.

801_Leandro_1.jpg (36kb)

Aquário de Ciclídeos de 450 L do Leandro Pauli. (Brasil)

801_Alexandre_1.jpg (48kb)

Aquário de Ciclídeos de 400 L do Alexandre M. Peres. (Brasil)

Do ponto de vista estético não há muito o que discutir é claro, ou você gosta ou não gosta, mas uma coisa que é bom estar atento é como o pedragismo vai ficar a longo prazo, depois que o aquário amadurece (primeiros aquários nesta página). Muitas pessoas são atraídas pelo visual bem limpinho quando o aquário é inicialmente montado (últimos aquários da página), e ficam desapontadas com o visual coberto de algas posterior, que é virtualmente impossível de limpar (sem jogar novamente na cândida) porque as rochas são tão porosas. Mas de novo, outras pessoas acham que fica ótimo assim.

801_Marcio_1.jpg (32kb)

Aquário de Ciclídeos de 600 L do Marcio Zago. (Brasil)

801_Rodrigo_1.jpg (39kb)

Aquário de Ciclídeos de 430 L do Rodrigo César. (Brasil)

A questão mais importante aqui não tem nada a ver com estética, mas sim com preocupações ambientais sobre a exploração de recifes naturais para o hobby. Uma boa parte da rocha viva coletada no mar para o hobby são pedaços que já se despreenderam naturalmente e de outra forma apenas virariam areia de praia lentamente. Mas infelizmente existem também coletores que recorrem à prática altamente revoltante de usar dinamite para literalmente explodir recifes saudáveis e coletar os pedaços para vender. Por isso a pressão extra sobre coleta de rochas vivas representada pelos aquaristas de água doce que simplesmente matam a biologia da rocha para usar sua estrutura morta nos seus aquários de ciclídeos levanta uma série de objeções, especialmente considerando que (ao contrário dos aquaristas marinhos) os ciclídeo maníacos têm muitas outras opções como exemplificado na página anterior.

801_Joao_1.jpg (28kb)

Aquário de Ciclídeos de 310 L do João Lobato. (Portugal)

801_Vagner_1.jpg (20kb)

Aquário de Ciclídeos de 325 L do Vagner Scherer. (Brasil)

Por outro lado, existem toneladas e mais toneladas de velhos corais mortos (dos aquários marinhos ao velho estilo, anterior à era dos mini-reefs) e "rocha morta" (rocha previamente viva de aquários de reef que foram desmontados) largados pelas garagens das pessoas, e colocar estes em uso como decoração de um aquário de ciclídeos não implica em nenhum problema ambiental imediato ou prática questionável, então esta ainda é uma opção a ser considerada. Mas muitas pessoas são contra ainda assim, argumentando que rocha morta é porosa demais e aprisiona muitos dejetos, ou que este tipo de rocha pode causar machucados nos ciclídeos, portanto o debate está aí em aberto...

801_Armando_1.jpg (33kb)

Aquário de Ciclídeos de 340 L do Armando Velloso Jr. (Brasil)

801_Andre_1.jpg (33kb)

Aquário de Ciclídeos de 250 L do André Simões. (Brasil)

Espero que você possa usar esta rápida pincelada sobre os diferentes aspectos do "assunto do pedragismo" como ponto de partida para pesquisar mais a fundo as questões e opções disponívies, e possa tomar uma decisão informada sobre como vai ser o seu próximo pedragismo! :-)

 Página 1   Página 2 

Se você quiser fazer uma submissão para Aquário do Mês, contate-me.

Fotos tiradas por seus respectivos autores e mostradas aqui com a sua permissão.



 Voltar ao TopoMês Anterior | Mês Seguinte 

oF <=> oC in <=> cm G <=> L