Peixes Ornamentais em Aquário

Paracheirodon axelrodi
Tetra Cardinal, Neon Cardinal

 A Era de Aquários > Peixes de Aquário > Neon Cardinal - Paracheirodon axelrodi

Fotos & Comentários

Paracheirodon_axelrodi_3.jpg (29kb)
Fotografia: Bruno Galhardi
Comentário

Olá, apesar de achar os Neons Cardinais belíssimos e peixes indispensáveis para um aquário comunitário eu não tive sorte ao colocar exemplares desta espécie em meus aquários. Devido ao seu minúsculo tamanho eles foram engolidos inteiros e vivos pelos Barbo Sumatra (Tigre), e no meu outro aquário, os que sobraram foram engolidos pelos kinguios. Resolvi montar agora um aquário exclusivo para Neons Cardinais; eles são lindos!

Contribuído por Fernando Marin
Comentário

Tenho em minhas lembranças os belíssimos aquários que meu irmão mais velho possuia há 20 anos atrás usando caixas d'água e vidros do ferro velho. Tudo era caseiro. Porém, meu irmão não gostava de criar Neons. Dizia ele que eram peixes que exigiam mais cuidados que os outros, difícil de criar. Bom, era justamente o peixe que eu mais gostava. Talvez por ser uma criança e sua coloração conjugada com a iluminação chamava muita atenção. Foi aí que resolvi encarar o desafio 20 anos depois. Possuo 10 Cardinais e 10 Negros. E diferentemente da opinião corrente, acho ele um peixe fácil de criar desde que a água possua os requisitos adequados para a espécie. Aliás, cabe aqui uma ressalva. Todo peixe possui um gosto diferenciado pelo habitat. Ele não é diferente de qualquer outro. E digo isso porque existe uma diferença enorme entre um peixe viver e sobreviver. Assim, o Cardinal gosta de ambiente com água ácida (pH 6,0-6,6), bem plantado, temperatura entre 22°C a 26°C e água mole. O que ele não suporta são variações fora desses limites, ele é pouco resistente a isso. É possível até ambientá-lo a pH alcalino, outros níveis de temperatura e dureza quando ele ainda é jovem, contudo, ele não estará vivendo e sim sobrevivendo. Eles estarão dispuntando quem será o último dos moicanos no aquário. Por fim, é preciso por esses motivos estabilizar bem a água do aquário com as plantas antes de adquirir essa linda espécie.

Contribuído por Luciano Vieira
Comentário

Tenho em minhas lembranças os belíssimos aquários que meu irmão mais velho possuia há 20 anos atrás usando caixas d'água e vidros do ferro velho. Tudo era caseiro. Porém, meu irmão não gostava de criar Neons. Dizia ele que eram peixes que exigiam mais cuidados que os outros, difícil de criar. Bom, era justamente o peixe que eu mais gostava. Talvez por ser uma criança e sua coloração conjugada com a iluminação chamava muita atenção. Foi aí que resolvi encarar o desafio 20 anos depois. Possuo 10 Cardinais e 10 Negros. E diferentemente da opinião corrente, acho ele um peixe fácil de criar desde que a água possua os requisitos adequados para a espécie. Aliás, cabe aqui uma ressalva. Todo peixe possui um gosto diferenciado pelo habitat. Ele não é diferente de qualquer outro. E digo isso porque existe uma diferença enorme entre um peixe viver e sobreviver. Assim, o Cardinal gosta de ambiente com água ácida (pH 6,0-6,6), bem plantado, temperatura entre 22°C a 26°C e água mole. O que ele não suporta são variações fora desses limites, ele é pouco resistente a isso. É possível até ambientá-lo a pH alcalino, outros níveis de temperatura e dureza quando ele ainda é jovem, contudo, ele não estará vivendo e sim sobrevivendo. Eles estarão dispuntando quem será o último dos moicanos no aquário. Por fim, é preciso por esses motivos estabilizar bem a água do aquário com as plantas antes de adquirir essa linda espécie.

Contribuído por Luciano Vieira
Comentário

Há algum tempo tenho tentado criar neon-cardinal e nunca consegui me dar bem. Os vendedores sempre diziam que o pH do neon é de 6,8. Logo na primeira semana os peixes morriam. Há mais ou menos um mês e pouco, adquiri 45 exemplares de tetras-cardinais, que desta vez, depois de consultar algumas páginas na internet, inclusive esta, e também a vendedores de peixes, eu descobri que um pH mais baixo, de 6,6 para baixo, é o melhor para criar os neons. Percebi que desta vez eles estavam sobrevivenndo. Mas aconteceu ainda uma coisa, alguns deles morreram (6 exemplares), e eu havia colocado juntamente com eles quatro rosáceos. Por causa do pequeno tamanho dos neons, as doenças são mais difíceis de serem percebidas visualmente, e através dos rosáceos, por serem maiores, eu percebi que estavam com uma doença que considero ridícula, e que é comum entre alguns peixes (todavia fatal se não tratada) chamada íctio. Depois de ter tratado a doença, não houve mais nenhum morte entre eles. Os neons são capturados diretamente da natureza, e muitas pessoas quando adquirem os neons, não condicionam a água e o ambiente para recebê-los, por isso há muitas mortes entre esses peixes. Inclusive já ouvi dizer que em alguns rios da Amazônia, o pH chega ser menor do que 6,0.

Contribuído por Alexandre Ono
Comentário

Sou um apaixonado por este peixinho. Considero-o um dos mais coloridos e vibrantes peixes de água doce. Porém o que desejo deixar anotado aqui é que, há cerca de 20 anos mantendo tetras em meus aquários, somente de algum tempo pra cá é que resolvi colocar exemplares suficientes para a formação de um cardume com mais de sessenta indivíduos. Para a minha surpresa, os neons mudaram radicalmente de comportamento, disputando comida junto aos peixes maiores, nadando na parte frontal do aquário e se mostrando muito menos tímidos. Já tive tanques com 10, 20, 30 neons cardinais, mas somente quando mantive mais de 60 deles, pude realmente desfrutar de um comportamento mais alegre e saudável desta espécie.

Contribuído por Francisco Ribeiro Jr.
Comentário

Neste momento tenho 10 exemplares desta bela e procurada (mas não rara) espécie. Eles preferem um ambiente limpo, de água mole e muitas plantas. Dão-se bem com todos os exemplares do mesmo tamanho e mesma família, e eu gosto de os misturar com limpa-vidros (Otocinclus affinis). Com um pH de 6,6 e a 26ºC cada um destes peixes estão-se a dar lindamente com tudo (pelo menos pensava eu). Quando os fui alimentar (comida em flocos) eles simplesmente afastavam-se. Após várias tentativas falhadas de obrigar os meus Cardinais a comeram, desisti e fui logo a loja, onde comprei larva de mosquito congelado. Bah...com muita esperança dei-lhes a comida e eles atriraram-se logo a ela.

Contribuído por Francisco Mendes



 Páginas:  1  | 2  | 3  | 4 

oF <=> oC in <=> cm G <=> L