Peixes Ornamentais em Aquário

Melanochromis cyaneorhabdos
Ciclídeo Maingano

 A Era de Aquários > Peixes de Aquário > Ciclídeo Maingano - Melanochromis cyaneorhabdos

Fotos & Comentários

Melanochromis_cyaneorhabdos_2.jpg (21kb)
Fotografia: Cinthia Emerich

Nome: Melanochromis cyaneorhabdos
Comp AquapHTemp
Origem: Lago Malawi (África)
8 cm 100 L 8.2 28°C

Comentário

O maingano é chamado de mbuna (fala-se ambuna) por viver perto das rochas, seu nome científico significa algo como "azul listrado" ou "azul barrado", onde o cyaneo = azul e rhabdos = barra, listra. Considero este um dos mais bonitos ciclídeos africanos dos grandes lagos, o contraste de cores dele me chama muito a atenção e foi por causa desta espécie em particular que quis montar um aquários de CA's.

Quando novos possuem uma coloração azul fraca que vai escurecendo com o tempo. Nos machos mais velhos esse azul fica quase negro. Quando comparo fotos do meu macho no começo do ano passado e agora a diferença é notável, ele está quase negro de tão forte que o azul ficou. Apesar de os melanos terem fama de agressivos, pelo menos aqui eles não são tanto, o zebra (Metriaclima estherae) ganha dele tranquilamente em uma disputa. São bastante confundidos com o Melanochromis johannii, mas uma maneira fácil de se distinguir é que as fêmeas deste não são azuis como as do maingano e sim amarelas, além disso o próprio macho quando jovem é amarelo...como normalmente compramos eles pequeninos nas lojas o verdadeiro maingano já vem azul, desde filhote.

Originário de uma pequena região da ilha de Likoma no lago Malawi, é um ciclídeo que não atinge grande tamanho, se comparado com os familiares: fica com no máximo 10 cm. É agressivo como a maioria dos ciclídeos dos grandes lagos da África, mas sua agressividade é mais restrita a machos da mesma espécie e outros peixes de padronagem e cor semelhantes (azuis e listrados). Não deve ser colocado com outros Melanochromis pelos riscos de brigas e hibridizações. Em relação ao aquário, 100 litros seria o tamanho mínimo considerado para um monoespécie e 200 litros para comunitários. Não fica muito bem em águas muito quentes, então melhor manter a temperatura entre 24 a 26°C. Quanto ao pH, embora aceite entre 7.8 a 8.6 é melhor manter sempre acima dos 8.0 e água dura.

Apesar de ser onívoro e, na natureza, chegar a se alimentar de alevinos de outros peixes, além de crustáceos e algas, quando mantidos em aquário é melhor não abusar da proteína em sua dieta. Então, ofereça rações à base de algas - spirulina por exemplo - e acrescente alga nori à dieta. Rações um pouco mais proteicas podem ser ministradas, porém, com certa parcimônia, então faça uso delas apenas uma vez por semana e em quantidade não muito grande.

O macho possui as nadadeiras anal e dorsal com as pontas mais finas, lembrando o formato de um "V". Suas cores são mais fortes, seu corpo é maior e possui o ventre bem escuro. A fêmea possui as cores um pouco mais claras, o ventre é quase branco e as nadadeiras dorsal e anal são mais arredondadas, lembrando um "U".

São ovíparos e incubadores bucais, ou seja, depois da desova e fertilização, a mãe guarda os ovos na boca. Como são peixes de harém é recomendado sempre manter pelo menos um macho e duas fêmeas, assim ele não ficará perseguindo uma única fêmea. O processo todo se dá com o macho se exibindo para a fêmea e nadando atrás dela, ela irá desovar na areia e ele fertilizará os ovos logo em seguida, a fêmea irá recolher os ovos com a boca e os manterá seguros até que eclodam e os filhotes atinjam tamanho o suficiente para se aventurarem pelo aquário. Isso costuma demorar entre 21 a 30 dias, depois que a desova ocorre duas alternativas podem ser escolhidas, ou se deixa a fêmea no aquário ou a transfere para outro onde ela não sofrerá nenhum estresse, mas se for transferir ela pode acabar se assustando e engolir os ovos, então fica a critério do aquarista.

Passando o período de incubação, caso a fêmea demore muito para soltar os filhotes naturalmente, pode ser usada uma técnica chamada stripping fry que consiste na retirada dos filhotes da boca da mãe pelo aquarista. Depois da liberação dos filhotes é aconselhado separar a fêmea e reforçar sua alimentação por alguns dias até que ela se recupere bem, pois em mais ou menos 45 dias ela poderá cruzar novamente.

Contribuído por Cinthia Emerich
Comentário

Eu tive um desses e posso dizer que é um peixe bastante bonito. A sua coloração azul é lindíssima quando a luz do aquário é forte, mas peca por ser bastante territorial, chegou até a matar um auratus e um Aulonocara baenschi, mas em relação a peixes maiores não notei qualquer problema

Contribuído por Fabio

 Submeter um Comentário 

Tem alguma experiência para partilhar nesta página? Não precisa registrar-se para contribuir! Sua privacidade é respeitada: seu e-mail é publicado somente se quiser. Todas as submissões são revisadas antes da adição. Escreva sobre suas experiências pessoais, sem abreviações, sem linguagem de chat, usando pontuação e capitalização padrão. Pronto? Então envie seus comentários!

                                       

oF <=> oC in <=> cm G <=> L