Peixes Ornamentais em Aquário

Usando Lâmpadas Fluorescentes Compactas em Aquários

 A Era de Aquários > Artigos de Aquarismo

Texto

O conhecimento sobre os requisitos luminosos básicos e avançados para uso de lâmpadas fluorescentes em aquários com plantas vivas apresenta-se atualmente bastante evoluído, especialmente quanto a disposição de modelos de fluorescentes com ondas espectrais úteis para a fotossíntese das plantas atendendo as exigências das diversas espécies bem como as diversas condições financeiras dos aquaristas.

Mas esse quadro nem sempre foi assim: Em meados da década de 90 as lâmpadas mais populares ainda eram as fluorescentes tubulares específicas para aquarismo (Aquarilux, Aquaglo e outras), e horticultura (Gro-lux, Sylvania). O custo para manter as condições luminosas constantes e ideais num aquário era elevado considerando a necessidade de troca após o período de 6-7 meses devido as perdas de desempenho (declínio de emissão de raios UV).

Nessa mesma década a popularização da internet propiciara a mudança de alguns conceitos sobre iluminação e já começava a ser difundido o hábito de substituir totalmente, ou parcialmente, as tubulares específicas por outras do tipo Luz-do-dia (LDD) com excelentes reproduções de cores (IRC) e compatíveis com as exigências fotossintéticas (ver o artigo Iluminação em aquários plantados:21 conceitos), aliadas a vantagem de serem encontradas em supermercados e lojas de materiais elétricos, bem mais baratas que as fluorescentes rosadas e com altos índices de emissão de lúmens por Watt consumido (Eficiência energética).

As lâmpadas LDDs também evoluíram e surgiram modelos cada vez mais eficientes com tubos de menores diâmetros (T10, T8, T5) e maiores emissões de lúmens, mas com todas essas vantagens essas lâmpadas tubulares ainda tinham as limitações impostas pelos Fabricantes quanto aos padrôes de tamanhos (comprimentos) adotados e que em geral se mostram inadequadas para iluminação de uma nova e crescente corrente aquarística: As montagens de pequenos aquários plantados (nano plantados), especialmente os de formato cúbico fora do padrão de comprimento da maioria das tubulares. Felizmente, uma inovação tecnológica se popularizava, impulsionada especialmente pelas campanhas federais e estaduais de racionalização de energia por quase todo país (período do "Apagão" em 2001) e a fabricação nacional e importação em massa de dezenas de modelos de lâmpadas que consumiam pouco, eram fáceis de instalar, com maior vida útil e maior luminância quando comparadas com as perdulárias incandescentes...Surgiam então as Lâmpadas Fluorescentes Compactas.

Tão logo os aquaristas perceberam que entre os diversos modelos disponíveis no mercado existiam alguns com emissão de luz com pico entre 6000 K e 6500 K, estas foram experimentadas e aprovadas nas montagens de nano-plantados e devido ao crescente incentivo a economia de energia seus preços já se mostravam competitivos com os das tubulares LDD, com a grande vantagem de serem compatíveis com os soquetes E-27 usados pelas lâmpadas incandescentes. Atualmente a evolução das compactas Daylight mantém-se focando principalmente o prolongamento da vída útil, maior eficiência energética e é claro: menores preços.

Existem basicamente duas categorias de Fluorecentes compactas que podem ser aproveitadas em aquários:

1) Foto abaixo: Lâmpada com reator integrado, base rosqueável E27:

2) Fotos abaixo: Lâmpada com reator externo (comumente usadas em luminárias decorativas, de mesa, bancos, etc.), os soquetes variam de acordo com a quantidade e disposição dos pinos (o da foto é do tipo G24, de 02 pinos). Também são conhecidas como PLs.

O reator externo das PLs dispensa o uso de starter, pois o mesmo já vem integrado à base da lâmpada.

As principais considerações que podem ser citadas com o uso de Lâmpadas Compactas ( também chamadas de power compact) estão listadas abaixo.

Vantagens

1) Tamanho reduzido, podem ser empregadas em quase todos os tipos de luminárias;
2) Diversos modelos compatíveis com soquetes E-27 utilizados pelas incandescentes;
3) Diversos valores de potência (5 W, 7 W, 8 W, 9 W, 11 W, 12 W, 15 W, 18 W, 20 W, 22 W, 25 W, 26 W, etc.) e diversos tamanhos dos bulbos;
4) Excelente eficiência energética, (em geral 55-68 lumens/watt as mais comuns);
5) Podem ser compradas em supermercados, lojas de materiais elétricos,etc.
6) Disponíveis principalmente nas temperaturas de cor branca fria de 6400k e 6500k. Deve-se conferir especificações antes de adquirir, algumas são de 2700 K, luz amarela e outras de 4000k, cor branca morna;
7) Vida útil em geral de 6000, 8000 horas ou mais (atenção, algumas importadas chinesas têm vida útil estimada de apenas 3000 horas, observar na embalagem as especificações técnicas antes de adquirir).
8) Alguns modelos possuem reator não integrado (PLs), facilitando ainda mais seu aproveitamento em tampas pequenas (necessitam de soquete específico) e podem ser instaladas com boa distância desses reatores minimizando o aquecimento da água.
9) Já estão disponíveis modelos específicos para uso em aquários (cor rosada, azul, 1000 K, 14000 K, branca-fria de 7000 K, etc.);
10) Possibilidade, após o período de uso no aquário, de serem facilmente aproveitadas na iluminação residencial.

Desvantagens:

1) Os modelos acima de 20 wats são difíceis de achar, geralmente são encontrados apenas em lojas especializadas em materiais elétricos.
2) Os reatores integrados dos modelos compatíveis com soquetes E-27 podem aquecer a água do aquário quando usados em tampas fechadas e sem circulação de ar.
3) As melhores marcas costumam custar mais caro que as importadas chinesas, às vezes até o dobro do preço de uma tubular nacional de potência semelhante.
4) Alguns modelos com os de reatores integrados em corpo plástico com frisos para circulação de ar não resistem a umidade das tampas fechadas de aquários, oxidando e queimando o circuito com pouco tempo de uso, prefira sempre os de base lacrada.
5) Os modelos específicos para aquários ainda estão caras;
6) São frágeis, é necessário cuidado com seu manuseio (ler instruções na embalagem).
7) Concentram muito calor ao longo do pequeno bulbo, deve-se ter cuidado quando for aplicada alguma película reflexiva a base de plástico na face interna da tampa, evitando encostar o bulbo da lâmpada com a película com a consequência de queimá-la e até mesmo ocasionar um acidente sério.

Exemplo de películas plásticas:
a)Película de vinil reflexiva (adquirida em lojas de serigrafia).
b)Película "Alto-brilho", usada em luminárias de lâmpadas tubulares (adquirida em lojas especializadas em materiais elétricos).

É possível utilizá-las com segurança, desde que a lâmpada fique afastada da película.

Obs: um material que pode ser usado com segurança é o laminado de alumínio que se usa comumente na cozinha para embalar e assar alimentos.

A internet contém muitos exemplos de belíssimos aquários (plantados e mini-reefs) montados e iluminados exclusivamente por lâmpadas compactas, por isso sempre que decidir modificar/otimizar a iluminação de seu aquário é interessante considerar a utilização delas, especialmente das PLs com seus reatores externos, vale a pena comentar que as PLs de maiores potências (35W, 55W) necessitam de reatores mais caros e mais difíceis de achar, mesmo em lojas do ramo há grande ignorância sobre as características técnicas das mesmas, portanto é sempre conveniente ler atentamente as instruções das embalagens e pesquisar nos sites de fabricantes.

Muita Luz para você :)         

Comentários de Leitores Comentário

Lâmpadas fluorescentes compactas são uma ótima escolha para quem não quer investir muito ou para quem não tem o que investir. Uso em meu aqua há quase um ano e tenho ótimos resultados. As plantas se desenvolvem muito bem, e as lâmpadas apresentam uma ótima eficiência luminosa, deixando um aspecto bem natural ao aqua. Também são mais econômicas, apesar de serem difíceis de encontrar em potencias grandes, como as de 25 ou 30 Watts. Se você não tem iluminação em seu aqua, invista nessas lâmpadas, são as de melhor custo-beneficio do mercado. É claro que plantas mais exigentes, indicadas na seção Jardim aqui do site como "Iluminação: Forte", precisam de lâmpadas potentes e com uma eficiente penetração na água, não sendo indicadas as fluorescentes compactas nesse caso.

Contribuído por Marco Ksensco

 Submeter um Comentário 

Tem alguma experiência para partilhar nesta página? Não precisa registrar-se para contribuir! Sua privacidade é respeitada: seu e-mail é publicado somente se quiser. Todas as submissões são revisadas antes da adição. Escreva sobre suas experiências pessoais, sem abreviações, sem linguagem de chat, usando pontuação e capitalização padrão. Pronto? Então envie seus comentários!




oF <=> oC in <=> cm G <=> L